www.flickr.com

Jeso Carneiro

Santarém (Tapajós, Amazônia) e cercanias - fatos, fotos e opiniões.



terça-feira, janeiro 22, 2008

A jovem e o sonho, no meio do caminho, uma paixão e uma justa causa

A jovem era vendedora. Era do interior e tinha uma beleza rústica, daquelas que traduz uma rusticidade poética. Recém-chegada à capital, queria vencer. A empresa era bem organizada e oferecia aos empregados um bom ambiente de trabalho.

Ela ainda não tinha currículo profissional. Queria construir um. Esse era o seu sonho. Mas um currículo que fosse capaz de abrir portas do futuro e que funcionasse como antídoto à cáustica rejeição encontrada por milhares de milhões de jovens que, como ela, querem um primeiro emprego: “Não há vagas” ou “experiência mínima de dois anos com carteira assinada” – coisas massacrantes do capitalismo, que Eric Robsbawm (A era do capital) explica como extremos irracionais do capital. (...)

Trecho do artigo semanal do juiz federal do trabalho Océlio Morais, articulista do blog.

[Clique aqui], para lê-lo na íntegra.

2 Comentarios:

Anonymous Anônimo Disse...

Parabéns ao autor, pois trata-se de texto digno da literatura brasileira. Recheado de citações pertinente, bem colocadas e oportunas. É desses textos que edificam a vida do leitor, levando-o a reflexão, por meio de uma narrativa acessível, e porque não dizer gostosa. Espero ler um dia uma coletânea de seus artigos. Sucesso escritor.

22 janeiro, 2008 12:41  
Anonymous Anônimo Disse...

É lamentável o ocorrido com a moça, mas até que ponto uma paixão, por maior que seja, nos faz mudar valores que aprendemos desde pequenos, como a honestidade?
Quem sou eu para julgar o que é certo ou errado, mas com certeza a moça do artigo deve ter aprendido algo de positivo com tudo o que aconteceu.
E o antigo funcionário da empresa, qual foi a sua punição?
Acredito que a jovem do interior,que encontrou a pessoa errada no momento importante de sua vida, no qual estava iniciando a carreira profissional, deverá refazer sua vida e trilhar seu caminho, observando valores primordiais como a honestidade.
Parabéns ao autor, que narrou o caso de forma leve e ao mesmo tempo instigante, já que o leitor fica ansioso para saber o desfecho da narrativa.

25 janeiro, 2008 07:21  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home