www.flickr.com

Jeso Carneiro

Santarém (Tapajós, Amazônia) e cercanias - fatos, fotos e opiniões.



segunda-feira, novembro 05, 2007

Júlio Lancelotti e a Escola Base

Samuel Lima (*)


A professora Maria Aparecida Shimada faleceu aos 56 anos, no dia 4/10/2007, e foi sepultada em Nova Granada (a 35km de Rio Preto/SP), sem receber um único centavo de indenização das maiores empresas de comunicação do país. Cida, como era conhecida, foi uma das principais personagens do caso "Escola Base", que encerra o mais grotesco erro cometido pela grande imprensa brasileira.

Só para rememorar: na Semana Santa de 1994, seis cidadãos comuns, donos de uma escola de educação infantil (a Escola Base, no bairro da Aclimação, em São Paulo) foram acusados de abuso sexual contra crianças. Suas vidas foram arrasadas, a escola depredada pela população, o negócio faliu.

Quatro meses depois, um extenso inquérito policial provou que os casais Saulo e Mara Nunes, Icushiro e Cida Shimada, Maurício e Paula Alvarenga eram inocentes. Julgados e condenados pelo tribunal midiático fascista, Cida e os demais recorreram à justiça.

Treze anos depois dos fatos, o processo "dorme" nalguma gaveta do "sancrossanto" Supremo Tribunal Federal (STF). A maior conta é da TV Globo (R$ 1,35 milhão). Os jornais O Estado de S. Paulo (R$ 750 mil), Folha de S. Paulo (R$ 750 mil) e a revista IstoÉ (R$ R$ 600 mil) também foram condenados, em valores de agosto de 2005. Todos recorreram e anunciam que irão recorrer até o limite da chicana jurídica. À lista devem-se juntar ainda a revista Veja, TVs Record, SBT e Bandeirantes, processos ainda tramitando.

Agora, outro caso de repercussão nacional lembra a Escola Base. Trata-se das denúncias envolvendo uma notável figura pública da igreja católica em São Paulo: o padre Júlio Lancelotti, que há décadas dirige a Pastoral do Menor.

Atuando no "front" da criminalidade, transitando em ambiente frequentado por criminosos, padre Lancelotti colecionou um sem-número de desafetos, adversários e inimigos declarados de qualquer iniciativa na área dos direitos humanos. A ocasião se apresenta como ideal para a "vendetta", e a mídia conservadora oferece seus "tambores" para o justiçamento.

Na edição de 28/10, a Folha de S. Paulo estampou: "Ex-interno diz que fazia sexo por dinheiro com padre". Um pálido contraditório do advogado de Lancelotti é soterrado pelo peso sensacionalista da afirmação "sexo por dinheiro com padre". A versão, que seria desmentida menos de uma semana depois pelo próprio acusado, foi duramente criticada pelo jornalista Luiz Weis (Observatório da Imprensa): "Equipara a Folha aos mais repulsivos tablóides ingleses, dos quais se diz que fazem jornalismo de esgoto".

À guisa de "análise", a Folha segue apelando e aplicando golpe baixo contra o leitor. O artigo, assinado pelo repórter Leandro Beguoci, é taxativo: "Igreja blinda padre e se protege". O jornalista nos oferece uma insólita lógica: a Igreja não crê na inocência do padre, apenas "fecha com ele" num gesto de autodefesa.

A acusação mais grave tem como fonte uma "mulher anônima", que se dizia ex-funcionária da Casa Vida, resta totalmente sem consistência. A polícia diz agora não ter certeza de que a senhora trabalhou na ONG. "Uma acusação dessa gravidade", observa o jornalista Carlos Brickmann, "num caso já de si explosivo, só pode ser publicada se alguns pressupostos de que poderia ser verídica tivessem sido verificados. Mas não se sabe sequer se a mulher trabalhou onde disse ter trabalhado". Informação publicada na Folha Online (30/10/2007) revela: ela "foi indicada aos policiais pela Rede Record, do bispo Edir Macedo e da Igreja Universal".

pontos de interrogação nesta história ainda inexplicados, basicamente: (a) Por que o padre aceitou a extorsão durante tanto tempo? (b) Qual foi a quantia repassada aos chantagistas e qual sua origem?

Independentemente da veracidade dos fatos, uma coisa já é definitiva: a grande mídia já julgou e condenou Júlio Lancelotti, sem direito a qualquer recurso ou apelação.

--------------------

(*) Santareno, é jornalista, coordenador do Curso de Jornalismo do Bom Jesus/IELUSC.

5 Comentarios:

Anonymous Anônimo Disse...

Neste caso, tão grave quanto a acusação taxativa é a defesa taxativa.

05 novembro, 2007 08:22  
Anonymous Anônimo Disse...

Caro professor e jornalista, você pagaria uma extorsão se não tivesse culpa no cartório. Se fosse um pastor evangélico, um espírita ou umbadista, você faria a mesma defesa?
É preciso prudência porque senão tudo continuará sendo jogado para debaixo do tapete pela igreja, como há milênios acontece.
Pare e pense.

05 novembro, 2007 14:31  
Anonymous Anônimo Disse...

Caro anônimo das 14:31,

Tua primeira frase é a prova cabal do que escrevi no final do texto: para quem enxerga o mundo apenas pelas "lentes da mídia" o padre Júlio Lancelotti já foi condenado, não importa o que venha a provar em contrário. É inversão do direito de presunção de inocência, consagrado na Constituição Federal. Para o tribunal midiático, vale a presunção de culpa (o acusado, não importa credo ou cor da pele, que se vire para provar sua inocência).

Você que pede "prudência" deveria ser "prudente" e não sair julgando na primeira palavra. Não sei o que te faz supor que eu não criticaria uma cobertura "torta" envolvendo figuras públicas de outros credos, que não a Igreja Católica - santa e pecadora.

Por último, sugiro que releias o penúltimo parágrafo do texto. As duas indagações cruciais, que precisam ser respondidas por Lancelotti, podem jogar novas luzes sobre o caso, ou não. Vamos acompanhar os fatos, serenamente.

Saudações mocorongas,

Samuca

05 novembro, 2007 15:37  
Anonymous Anônimo Disse...

"para quem enxerga o mundo apenas pelas "lentes da mídia". Fala alguma coisa lá no bar para 10 pessoas e depois fala que foi engano ou mentira, talvez 5volte a acreditar na não existencia do fato ou seja, não é a mídia é a vida é o ser humano mas, esquece, é por que ele é amigo do Lula.Putz!

05 novembro, 2007 21:31  
Anonymous doritos Disse...

06/11/2007 12:38

Meu desinteresse pelo caso do padre Lancellotti

Alguns internautas gostariam que eu comentasse o caso do padre Lancellotti. Confesso meu desinteresse. De todo modo, sei que o padre cedeu à extorsão e que o salário dele não comporta os pagamentos feitos. Por que entregou ouro ao bandido não sei. Sei que os casos de sacerdotes envolvidos em escândalos sexuais pipocam mundo afora, o mundo informatizado cada vez mais informado. E os soldados dos vários exércitos eclesiais ficam cada vez mais vulneráveis, pois, como os homens em geral, não nasceram para a santidade. Me vem à mente uma lembrança da minha infância, e o cenário é uma aldeia piemontesa de mil habitantes, onde minha mãe aportou com os dois filhos, Luis e eu, para escapar dos bombardeios que diariamente infernizavam Genova, minha cidade natal. Na aldeia havia duas igrejas, e numa delas atuava um padre maciço de corpo e folgazão de espírito, tocava piano para compor canções de vago sabor andaluz no gênero Granada. Morava com a mãe, já entrada em anos, e recebia quase todos os dias a visita de uma senhora de curvas abundantes que tocava castanholas, fato insólito para uma piemontesa. Se bem lembro, o farmacêutico era a única pessoa disposta a desconfiar das relações musicais daquele par dado a inspirações gitanas. Todos os demais habitantes achavam tudo normal, embora alguns considerassem enfadonhas as canções do padre. Outros tempos.
enviada por mino carta/blog do mino

06 novembro, 2007 16:57  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home